sexta-feira, 4 de junho de 2010

e parecia que era minha aquela solidão ♪ {...}

E no quarto dia daquele mês , debruçada na janela do meu quarto , com as mãos apoiadas no queixo , notei que meus dedos ,assim como meus cabelos agora presos, e minhas roupas largas , cheiravam a nicotina.
Minha pele cheirava a nicotina.As músicas que eu ouvia cheiravam a nicotina.
Meu corpo inteiro sentia-se atropelado inúmeras vezes . Atropelado pela vida, abandonado , desistido . Um urso de pelúcia jogado no jardim , sofrendo o clima de todas as estações enquanto sente a grama crescer ao seu redor.
Assim que eu me sentia naquela sexta feira.
Há quatro horas sentada na mesma cadeira de todos os outros dias , meses & quase três anos.
Ouvindo bossa nova , MPB , rock'n roll e perdendo-me na lentidão da fumaça dos cigarros que eu tragava.
Tragos profundos . Minha alma tragou aqueles cigarros , minha alma chorava ao som daquelas músicas & minha voz , já rouca por conta do inverno e da nicotina , cantava aquelas letras com a dor de carregar uma alma pesada.
Eu estava irreconhecível. Fugindo de espelhos, andando devagar , quase parando , apoiando me nas paredes e revirando os olhos para olhar em volta sem ter que me mover.
Já não fazia sentido , já não havia explicação que coubesse.
Eu não tinha emprego , não tinha dinheiro , não tinha saúde nem vergonha na cara pra me levantar e fazer alguma coisa ou simplesmente .... fugir .
Fugir do enorme e espaçoso nada em que eu tinha me transformado lenta & dolorosamente.
Eu não sabia o que queria. Não tinha mais sexo , ora era menino , ora era menina. E nenhum dos dois fazia sentido ou me satisfazia.
Ficava inerte , absorta numa respiração lenta no final instrumental das músicas.

"ontem a noite , eu conheci uma guria , já era tarde , era quase dia"


As pessoas achavam melhor fingir que não estava acontecendo nada. Ou talvez realmente não estivesse , talvez fosse meu ilusionário poético me fazendo enlouquecer de verdade , como eu sempre sonhei.
Tudo é talvez , tudo é 'não sei' , tudo é chorar , tudo é cobrir o rosto com as mãos e correr pra cama e chorar até dormir , sem saber porquê.
Amar não fazia sentido.Eu sabia que ninguém me amaria , ninguém ama ninguém de verdade.
Se alguém me amasse me amaria daquele jeito , dentro do meu inferno ,  enlouquecendo , me devastando , sendo eu mesma. As pessoas só amam a beleza , o ser humano ama o desejo e não o desejado.
Ninguém jamais me amou , amavam estar comigo , amavam quando eu os fazia rir , quando eu lhes contava histórias e cantava canções bonitas . Quando eu os fotografava em ângulos favoráveis.
Ninguém jamais me amou .E se alguém amou , eu mandei embora ,por saber que um dia deixaria de amar.
Eu não começava pelo medo do final .Sempre colecionei tragédias.
Eu já não me aguentava mais.
Há duas noites antes desse dia eu havia me embrigado . Sorria falsamente enquanto enchia mais um copo , e me sentia agradável fumando e bebendo , certamente porque as pessoas ao redor estavam gostando , pensando no quão bem eu estava.
E eu sou sempre o contrário.
Eu não sabia onde queria estar ,pra onde queria ir , quem eu queria abraçar.
Eu precisava de vida. E isso , ninguém ia me dar.
Os meus sonhos , eu tinha certeza , não iam se realizar.
Minhas promessas , eu tinha certeza , não ia cumprir.
Talvez porque todo mundo em volta não cumpria as promessas que me faziam.
Talvez os abraços fossem falsos e os beijos fossem vazios de sentimento e cheios de nojeiras , cheios dessa vontade incessante de sexo. E eu estava cheia desses estupros psicológicos.
Eu me sentia podre , minha boca e todo meu corpo eram um túmulo violado.
Eu não queria beijos , nem abraços e eu tinha nojo extremo de qualquer sexo.
Eu queria cigarros ,música & minha cama.
Não sei se eu queria morrer , talvez eu só precisasse ir embora .
Ir embora daqui e quem sabe voltar logo ,
ou não voltar nunca mais.

{Giovana  Peres}

7 comentários:

Bia disse...

eu te amo menina.

Sam disse...

Caramba, sem palavras para o seu texto que está totalmente INCRÍVEL!
sério, meus parabéns para você, porque esse texto tá muito bom!

"Há quatro horas sentada na mesma cadeira de todos os outros dias , meses & quase três anos.
Ouvindo bossa nova , MPB , rock'n roll e perdendo-me na lentidão da fumaça dos cigarros que eu tragava.
Tragos profundos . Minha alma tragou aqueles cigarros , minha alma chorava ao som daquelas músicas & minha voz , já rouca por conta do inverno e da nicotina , cantava aquelas letras com a dor de carregar uma alma pesada." +1

Sharla disse...

Afinal. Ficção ou real?
Atravéz de tantos blogs que eu leio [e escrevo] percebo como é facil imaginar os poetas arrasados da antiguidade, escrevendo sobre a dor, do amor, do amado, do perdido, da vida triste que se leva.
Há tantos poetas em blogs que hoje mesmo se sentem totalmente perdidos. Mas ao menos conseguem forças pra escrever sobre isso.

Não tem como dizer pra não sofrer, como dizer que o amor existe e um dia vai perceber o quão real é. Antes de viver, precisamos entender como sobreviver inteiros. Depois sào outros passos a se preocupar.

Helen disse...

como diz uma música do lobão "nem sempre se vê, lágrimas no escuro!"

curti muuito este texto, e o copiei com os devidos créditos! :D

Beijo

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...


AFECTUOSAMENTE
ARRASTRE UMA CADEIRA

ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE BLADE RUUNER ,CHOCOLATE, EL NAZARENO- LOVE STORY,- Y- CABALLO, .

José
ramón...

darkblue disse...

já disse o quanto suas palavras me fizeram bem? não? mas repetirei. giovana, às vezes realmente sinto que escrevemos uma para outra, tendo então uma ligação mental até então desconhecida. será que existe um fio transparente que nos liga? *puxando algo do ouvido* N
de qualquer forma, sinto-me melhor ao sentir meus sentimentos em palavras que não são minhas. você escreve tão bem, tem as melhores escolhas de palavras *-* e ah, eu amo você, sou suspeita pra falar GYDYGSYDGSG

darkblue disse...

já disse o quanto suas palavras me fizeram bem? não? mas repetirei. giovana, às vezes realmente sinto que escrevemos uma para outra, tendo então uma ligação mental até então desconhecida. será que existe um fio transparente que nos liga? *puxando algo do ouvido* N
de qualquer forma, sinto-me melhor ao sentir meus sentimentos em palavras que não são minhas. você escreve tão bem, tem as melhores escolhas de palavras *-* e ah, eu amo você, sou suspeita pra falar GYDYGSYDGSG